Mapeamento da Condutividade Elétrica Aparente do Solo

 Em Artigos Técnicos & Comerciais, Cereais, Fruticultura, Horticultura, Viticultura

A conciliação da conservação dos recursos naturais com a segurança alimentar e a gestão agrícola produtiva é um dos principais desafios do século XXI. Uma população cada vez mais exigente e recursos naturais (água, solo…) cada vez mais escassos e fragilizados, exigem cada vez mais conhecimento e profissionalismo do setor agrícola.

Conhecimento fundamental antes da instalação de novas culturas

Operações culturais como as mobilizações de solo, a aplicação de fertilizantes e outros fitofármacos não só assumem um impacto relevante no equilíbrio ambiental como têm impacto direto no “bolso” do agricultor. Como tal, a implementação de procedimentos eficientes e sustentáveis é cada mais importante e interessante quer para os agricultores quer para os consumidores.

As soluções de agricultura de precisão, que têm mostrado resultados muito positivos nos últimos anos, revelam que a chave para o acréscimo de sustentabilidade está na aquisição de conhecimento sobre a variabilidade (espacial e temporal) dos diversos fatores ambientais de que está dependente a atividade agrícola, nomeadamente sobre as parcelas, as culturas, o clima, os solos, entre outros.

O conhecimento da variabilidade do solo, em cada parcela, quer na sua constituição física como química, ao longo do tempo como no espaço, assume-se como informação básica e muito preciosa para o sucesso da atividade agricola.

Avaliar a Variabilidade

A forma mais eficaz de avaliar a variabilidade numa parcela é através do mapeamento da sua Condutividade Elétrica Aparente (CEa). O levantamento através de um sensor específico, é realizado sem contacto direto com o solo, preservando as suas características, e de forma georreferenciada, obtendo medições até 1 m de profundidade (mS/m).

Esta avaliação dá a conhecer diversas informações da parcela, desde a variação na textura do solo à identificação de zonas problemáticas, que permitem ao agricultor definir estratégias de gestão específicas de forma precisa e diferenciada:

Apoio à decisão na instalação de culturas
– Implementação do sistema de rega, nomeadamente na delimitação dos setores
Correções de solos e fertilizações
Escolha de variedades e sua localização
– Aferir a viabilidade de instalação da cultura em algumas zonas da parcela
– Identificação de áreas críticas para realização de amostragens ou definição de locais de monitorização (por exemplo, recolhas de amostras de solos e foliares, instalações de equipamentos de monitorização de humidade do solo, etc)
– Produção de mapas comparativos de apoio à gestão, como por exemplo na comparação de produtividade esperada/obtida ou entre campanhas.
– Informação relevante para cálculos de rega diferenciada (pivot VRI, setores de rega).

Após a análise dos dados de campo e depois de selecionadas zonas de amostragem, são elaborados diversos mapas: CEa por classes de valores, Altimetria, Textura, de pH, de Matéria Orgânica.

Apesar do valor da informação per si, a integração da informação e o acompanhamento técnico de proximidade com o agricultor são essenciais à validação e coerência das conclusões.

Exemplo Prático

As imagens seguintes correspondem a uma área exemplo de cerca de 50 hectares, destinada à instalação de Amendoal no Alentejo.

Mapeamento da Condutividade Elétrica Aparente do Solo

Mapas de CEa por classes de valores

Mapa de Altimetria

Mapa de Altimetria

Depois do levantamento de CEa do solo, e analisados os dados com a altimetria, foram escolhidos os locais de amostragem de solos e de abertura de perfis dos quais se destacam aqui os perfis 1, 3 e 11.

amostras_solos_vf

Mapeamento da Condutividade Elétrica Aparente do Solo

 

Perfil 1- Zonas de cotas baixas com CEa baixa

Seria de esperar a CEa alta, mas a presença de imperme a 30/40 cm originou valores de CEa mais baixos.

Neste local a implementação da cultura poderá ter custos acrescidos e a sua condução será muito complicada.

Mapeamento da Condutividade Elétrica Aparente do Solo

 

Perfil 3 – Zonas de cotas altas com Condutividade Elétrica aparente baixa.

Solo mais arenoso com pedra rolada e seixos sem impermes.

Mapeamento da Condutividade Elétrica Aparente do Solo

Perfil 11- Zonas de cotas intermédias com CEa baixa

Seria de esperar valores de Condutividade Elétrica aparente mais altos, mas a presença de imperme a 80 cm originou valores de CEa mais baixos.

Nesta zona é possível a implementação da cultura, sendo necessário adequar as práticas culturais, como por exemplo, através da utilização de camalhões.

Através do exemplo apresentado, para além das conclusões mais diretas que fundamentam, de acordo com as necessidades de cada mancha, a delimitação dos setores de rega mais adequada e a correta fertilização, foi ainda possível concluir através da observação dos perfis de solo, a existência duma área com impermes que impossibilitará um bom desenvolvimento da cultura, sendo necessário adequar as práticas culturais.

Conhecer a terra para otimizar a produção

Cada parcela tem uma identidade própria, que deve ser conhecida o melhor possível de modo a que o agricultor possa tirar o máximo partido da sua especificidade. É neste sentido que o mapeamento da Condutividade Elétrica aparente do solo, se revela uma ferramenta de base essencial ao planeamento da implementação das culturas assim como da sua gestão e definição de operações culturais. As conclusões são únicas para cada parcela e contexto, devendo ser sempre tomadas em conjunto com o agricultor.

Por: Sónia Garcia, TERRAPro Technologies – www.terra-pro.net | terrapro@terra-pro.net | +351 263 655 115

Deixe o seu comentário

Comece a escrever e pressione "Enter" para mostrar os resultados

Comercialização de Plantas Aromáticas e MedicinaisManutenção de um Sistema de Rega Gota a Gota