Produção de Leite: Compost Barn e a produtividade

 In Artigos Técnicos & Comerciais, Pecuária

O tipo de instalação usada para vacas leiteiras tem forte influência nos resultados de produtividade e sanidade do rebanho, bem como sobre a qualidade do leite obtido. A escolha das instalações utilizadas para alojamento de vacas leiteiras deve ser realizada levando-se em consideração diversos fatores, entre os quais destacam-se: nível de intensificação desejado, potencial genético do rebanho, disponibilidade de capital, disponibilidade e capacidade de produção de alimentos e custo da terra. Todos estes fatores devem ser avaliados, pois podem afetar diretamente a produtividade e sanidade do rebanho, qualidade do leite, bem-estar animal e a rentabilidade da exploração.

Em alguns locais do mundo, como no Brasil, Estados Unidos, e em Portugal nos Açores, devido a grande oferta forrageira, os sistemas de criação de gado leiteiro têm no pasto a principal base alimentar, porém, baixos índices de produtividade são comuns neste sistema. Desta forma, os produtores de leite têm se interessado cada vez mais em confinar suas vacas, sendo destaque o uso dos sistemas Free Stall e de piquetes. Porém, um novo sistema de confinamento para bovinos leiteiros, criado nos Estados Unidos, tem vindo a ganhar notoriedade noutros países, nomeadamente no Brasil. Trata-se do “Compost Barn”, um modelo instalação que tem como objetivo criar o máximo conforto e bem-estar dos animais e, consequentemente, o aumento dos níveis de produtividade.

O Compost Barn foi criado por produtores de leite norte americanos, em meados da década de 80, mas apenas em 2001 começou a ganhar adeptos em maior escala. O Compost Barn consiste numa grande área coberta de descanso para vacas leiteiras, geralmente revestida com uma cama de serragem, aparas de madeira e esterco compostado, e o seu princípio básico de funcionamento é a compostagem desta cama.

O principal objetivo é proporcionar aos animais um local confortável e seco durante todo o ano. Segundo o Instituto de Estudos Pecuários (IEPEC), alguns produtores que utilizam o sistema relatam inúmeras melhorias, como o maior conforto para as vacas, além de terem vacas mais limpas, redução de problemas de perna e casco, diminuição da contagem de células somáticas (CCS), aumento da deteção de cio, aumento na produção de leite, menor odor e incidência de moscas, além de melhores condições de trabalho aos produtores.

O sucesso do sistema depende principalmente da manutenção e manuseamento da cama, que consiste em revolver a cama pelo menos duas vezes por dia, geralmente nos horários de ordenha das vacas. Quando a compostagem é realizada de forma correta, ocorre um aumento da temperatura da cama, com redução da humidade e melhoria do processo de compostagem. Outros fatores que devem ser levados em conta são a escolha do local da instalação, para ter boa ventilação natural, observação do deslocamento do sol, e drenagem da água em períodos chuvosos, além de ser também importante evitar a superlotação do local.

O maneio inadequado pode levar a condições indesejáveis da cama, resultando em vacas sujas e aumento da incidência de mastite clínica e contagem de células somáticas.

Mais conforto, Mais Saúde, Mais Produtividade

Estudos realizados na Universidade de Minnesota, nos Estados Unidos, mostraram mudanças em relação ao conforto dos animais, assim como impacto na produtividade e longevidade do rebanho. Os estudos mostraram menor incidência de problemas de casco nas vacas, com uma percentagem de 8% nas vacas criadas no sistema Compost Barn face a valores de 20 a 28% em propriedades no sistema Free-Stall (Barberg et al., 2007). Isso deve-se ao facto de os animais ficarem sobre uma superfície mais macia, além de permitir maior liberdade para se locomoverem e deitarem.

Como consequência da redução dos problemas de casco, houve também a melhoria na deteção de cio por parte dos tratadores, sendo que as taxas de deteção aumentaram de 37% para 41% e as taxas de conceção de 13% para 17%, no sistema Compost Barn, quando comparado ao Free-Stall (Barberg et al., 2007). Houve também melhoria na qualidade do leite obtido, já que os índices de CCS e incidência de mastite foram reduzidos devido a redução da carga microbiana das camas e melhoria das condições higiénicas das vacas, além de um ambiente mais confortável que promove o sistema imunológico dos animais.

Produtores que já utilizam o sistema têm mostrado satisfação com os resultados, principalmente devido à fácil adaptação dos animais e ao custo significativamente menor que o Free Stall, além de terem uma nova oportunidade de rendimento através da venda do composto orgânico gerado pela cama, tratando-se de um adubo de excelente qualidade. Além disso, ocorre a redução do acúmulo e descarte de dejetos da produção, que resultariam em custos de armazenamento e mão de obra.

O Compost Barn é uma boa opção para produtores que não possuem grandes áreas disponíveis para desenvolver a atividade leiteira, pincipalmente em locais onde a agricultura familiar é predominante. Mas vale ressaltar, que o Compost Barn, assim como todo sistema de confinamento, exige cuidados e a observação de orientações técnicas para que sejam obtidos resultados positivos do ponto de visto produtivo e económico.

Fontes: IEPEC | Milkpoint

Leave a Comment

Start typing and press Enter to search

Produção e Comercialização de CogumelosO Mercado Mundial de Cultivos Transgénicos